Infestação de águas-vivas preocupa veranistas no Litoral Norte

Os veranistas mais cuidadosos, antes de observar as tradicionais bandeiras que indicam as condições do mar, devem, também, ficar atentos com a bandeira de cor púrpura. Anexada próxima as guaritas dos guarda-vidas, elas podem ser vistas cada vez mais nas praias do Litoral Norte gaúcho indicando infestação de águas-vivas. Ao todo, mais de quatro mil casos de queimaduras já foram registrados neste verão. 

De acordo com o coordenador do 9º Batalhão do Corpo de Bombeiros, major Jefferson Ecco, o registro das populares mães-d’água era sazonal até o verão anterior, quando começaram as primeiras infestações e, consequentemente, o levantamento dos casos de queimaduras. De acordo com ele, os animais costumam se locomover em colônias extensas e, por isso, não há como identificar praias com maior incidência. “A tendência é que elas ocupem toda a orla”, explica. 

Desde 2015, o Corpo de Bombeiros Militar tem parceria com a Universidade Feevale para alertar sobre os riscos das queimaduras. Ao todo, 220 bandeirolas foram confeccionadas no padrão internacional e distribuídas de Torres a Quintão para conscientizar a população a registrar os casos que ocorrem no contato com os tentáculos do animal. 

Alguns cuidados devem ser tomados quando as queimaduras ocorrem, causando irritações, sensação de queimadura, dores e fisgadas - em casos mais graves, é possível que haja náusea, vômitos e até desmaios. O principal a ser feito ao ser queimado por uma mãe d'água é lavar o local com a água do mar e não com água potável, que piora a situação.

Outra medida importante é fazer compressas frias com vinagre, que está disponível nas guaritas de guarda-vidas. Em casos em que os tentáculos ficam grudados à pele, eles devem ser removidos com o auxílio de pinça ou gelo, sem esfregar o local.


Fonte: Correio do Povo

Foto: Guilherme Testa

Categoria:Litoral

Deixe seu Comentário