Diagnosticado com Covid-19, o agente penitenciário Renan Trajano Sudré, 31 anos, sem histórico de comorbidades, precisou de internação hospitalar em 10 de julho. Dois dias após internar, precisou ser transferido para a UTI e em 12 de julho, foi beneficiado pelo tratamento de plasma convalescente, realizado através de uma parceria pioneira no Estado entre o Hospital Virvi Ramos e o Hemocentro de Caxias do Sul. Natural de Porto Alegre, Sudré tem residência fixa em Arroio do Sal, mas trabalha em Caxias do Sul, na Penitenciária Regional, localizada na BR-116, em frente ao acesso principal ao Campus da Universidade de Caxias do Sul. Ele foi o 14º paciente a passar pelo procedimento. Desde 26 de maio, data da primeira transfusão de plasma, 29 pessoas já foram beneficiadas pelo tratamento. No dia 03 de agosto, Sudré conseguiu sair da Unidade de Terapia Intensiva e na última sexta-feira, dia 14, após confirmação da recuperação da doença, recebeu alta hospitalar. Sudré agradece à equipe pelos cuidados recebidos durante o período de recuperação internado e reforça à importância da prevenção: “Só tenho a agradecer a todos da equipe do hospital pelo cuidado que tiveram comigo e ao médico que doou plasma que recebi. Foi muito importante para a minha recuperação. Gostaria também de fazer um apelo para aqueles que puderem, se protejam, usem máscara e quem em casa.”

O médico Urologista caxiense Márcio Araldi, 36 anos, foi o doador de plasma de Sudré. Ele recebeu com muita alegria a notícia da alta do paciente que recebeu o seu plasma: “Essa é a melhor recompensa. Ver aquele paciente que recebeu o seu plasma se recuperando e podendo retomar a vida. Só quem já passou pelo coronavírus e sentiu seus sintomas mais graves, como a falta de ar, consegue entender a importância de se ter uma esperança em um contexto com poucas opções terapêuticas. A doação de plasma me parece exatamente isso, uma chance de oferecer uma possibilidade de tratamento a pacientes em estado grave, sem agregar comorbidades a ele e principalmente, sem comprometer a saúde do doador, pois se trata de um procedimento com raríssimos efeitos colaterais, seguro e tranquilo. É verdadeiro gesto de amor ao próximo.” Araldi foi acometido pela doença em meados de maio, chegou a necessitar de internação hospitalar, mas não precisou de Terapia Intensiva. Em 02 de julho ele efetivou a doação do seu plasma, que fora utilizado 10 dias depois na transfusão de Sudré.

Fonte: Leouve

Deixe seu Comentário


Maria Neli Rodrigues - 20/08/2020 22h28
É sempre gratificante saber quê uma pessoa está curada do CIVUF graças ao gesto humanitária do médico enfrentou o mesmo vírus. São poucas às doações de recuperados me pergunto será medo. Só DEUS para amparar o mundo.
Márcia valeria da Silva Ribeiro - 18/08/2020 17h45
Foram muitos pedidos e preces 🙏🏻 graças a Deus 🙌 saiu vencedor 💯🙏💙